PNL na Educação, Uma Oportunidade Magnífica

Introdução

Quando eu lecionava matemática, muitas vezes percebia que alguns alunos ficavam olhando distraídos pela janela. Eu imaginava o que aconteceria em suas mentes que fazia com que eles não gostassem de matemática. Eu queria poder "abrir suas cabeças e olhar dentro delas para ver o que estava se passando". Eu não podia fazer isto naquela época, mas posso fazer isto agora - metaforicamente. Faço isto com a Programação Neurolingüística (PNL).

O fato de poder fazer isto agora proporciona várias oportunidades magníficas para mim mesmo e para os estudantes com quem trabalho. Os alunos não precisam mais ficar desmotivados na escola - eles podem ser motivados por suas próprias estratégias inatas de motivação. Eles não têm mais que ter desinteresse por certas matérias - eles podem aprender a estrutura do interesse e aplicá-la a qualquer matéria. Eles não têm mais que não saber como aprender - eles podem aprender as melhores estratégias de aprendizagem para TODAS as tarefas acadêmicas. Eles não têm mais que ficar traumatizados com as notas baixas nas provas - eles podem aprender a aceitar os resultados com o propósito de aprimorarem-se em vez de sentirem-se fracassados. Eles não têm mais que ser rotulados como tendo uma deficiência de aprendizagem - nós podemos compreender a forma diferente de suas mentes funcionarem e ensiná-los a usar suas mentes na escola de maneira que realmente funcione.

Antes da PNL, este tipo de oportunidade era aleatória. Talvez um professor intuitivo ou mediúnico tivesse uma idéia, ensinasse ao aluno e isto funcionasse. Mas isto também podia não funcionar com todos os alunos. Então, a idéia podia perder-se ou perder sua credibilidade. E, visto que o professor não podia codificar a estrutura da idéia no nível do processamento, era difícil ensiná-la a outros de maneira que tivesse alguma credibilidade. A PNL nos dá a tecnologia para eliciar todos estes padrões de aprendizagem, codificá-los e ensiná-los a outros. A PNL nos dá a tecnologia para descobrir, NO NÍVEL DE PROCESSAMENTO, como o estudante está bloqueando o seu próprio eu e como fazer para ajudá-lo. Esta é uma época excitante para aqueles que se importam com os estudantes e que querem ser uma influência positiva em suas vidas. É também uma época excitante para aqueles que querem fortificar nossos processos e sistemas educacionais. A PNL nos oferece uma oportunidade magnífica de afetar, positivamente, as vidas das crianças para sempre, ao trabalhar-se com PNL nas instituições escolares.

Nós, agora, estamos no processo de montar "Uma Rede de PNL na Educação" ("An NLP in Education Network") que atraia profissionais de PNL que partilhem deste sonho. A força original por trás desta rede está no Reino Unido. Seu nome é Jeffrey Lewis e seu endereço de e-mail é: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.. O endereço de seu site na Internet é: http://www.new-oceans.co.uk/ednet/. O número de seu telefone é: 44 (0) 1727 856200.

A Aplicação de PNL na Educação - Como Isto Funciona

Provavelmente, a maneira mais fácil e sucinta de explicar a aplicação de PNL na educação é pelo uso das técnicas de modelagem de PNL e do uso dos Níveis Lógicos de Experiência. Quando estou trabalhando com um estudante que está com dificuldades na escola, eu uso minhas habilidades de modelagem em PNL para eliciar a experiência subjetiva do estudante - nível lógico por nível lógico. Como você sabe, os níveis lógicos de experiência são os seguintes:

Espiritual/Sistema Maior - Os esforços para comunicar-se ou mudar neste nível afetam nossa experiência de ser uma parte de um sistema muito maior. Responde à pergunta "A QUEM MAIS ISTO SERVE?" ou "QUAL É A VISÃO MAIOR?".

Identidade - Os esforços para comunicar-se ou mudar neste nível afetam a auto-imagem e o objetivo global. Responde à pergunta "QUEM Sou Eu?".

Crenças e Valores - Os esforços de comunicar-se ou mudar neste nível afetam a motivação e a permissão ao afetar as razões porque fazemos isto. Responde à pergunta "POR QUE EU FAÇO ISTO?"

Capacidades - Os esforços de comunicar-se ou mudar neste nível afetam as ações comportamentais através de um mapa mental, uma habilidade ou uma estratégia. Responde à pergunta "COMO EU FAÇO ISTO?"

Comportamento - Os esforços de comunicar-se ou mudar neste nível afetam as ações específicas empreendidas dentro do ambiente. Responde à pergunta "O QUE EU FAÇO?"

Ambiente - Os esforços de comunicar-se ou mudar neste nível afetam os limites externos dentro dos quais a pessoa tem que viver e reagir. Responde às perguntas "ONDE e/ou QUANDO e/ou COM QUEM EU FAÇO ISTO?"

Os níveis lógicos podem ser descobertos pelos padrões de linguagem do estudante. Então, por exemplo, se um estudante estiver reclamando sobre suas lições de soletração, soará como o seguinte, dependendo do nível que o estudante estiver focalizando:

NÍVEL LÓGICO

 

Espiritual/Sistema Maior

 

Identidade

 

Crenças e Valores

 

Capacidades

 

Comportamento

 

Ambiente

 

AFIRMAÇÃO

 

"A escola é burra por nos fazer aprender a soletrar palavras."

 

"Eu sou burro."

 

"Aprender a soletrar palavras é idiotice."

 

"Eu não sei como aprender a soletrar palavras."

 

"Eu devo escrever 5 ou 10 vezes as palavras para soletrar?"

 

"A sala de aula é muito barulhenta."

 

Então, enquanto o estudante está descrevendo suas dificuldades na escola, eu estou ouvindo através do padrão de níveis lógicos para distinguir em que níveis estão as questões. Uma vez que determino isto, eu uso minhas habilidades de modelagem de PNL para determinar mais especificamente que experiência subjetiva precisa de ajuste. O que descobri com muitos estudantes que têm dificuldades é um grande vazio no nível de capacidade. O vazio está lá porque a maioria das escolas e professores pressupõe que os alunos sabem como aprender matérias acadêmicas. Os alunos são deixados por sua própria conta para entender COMO APRENDER. Um grande número produz estratégias de aprendizagem que não funcionam ou que são ineficientes ou ineficazes. Visto que pressupomos que os alunos sabem como aprender, nós não oferecemos maneiras alternativas e eles continuam a fazer o que sempre fizeram e continuam a ter os mesmos resultados ruins. Muitos levam isto de forma pessoal e assumem que algo está errado com eles. Eles começam a desvalorizar a aprendizagem e a escola. Ou levam isto para o nível de identidade e começam a acreditar que eles são burros ou maus alunos.

A ajuda está disponível em todos os níveis lógicos com a PNL. Ela é precisa e poderosa. Nós sabemos como ensinar aos estudantes estratégias de aprendizagem que realmente funcionam no nível de capacidade. Nós sabemos como afetar positivamente a atitude no nível de valores. Nós também sabemos como mudar as crenças nos três níveis lógicos superiores. As mudanças são rápidas e transformadoras. Isto verdadeiramente se ajusta ao velho ditado "Dê um peixe para um homem e você o alimentou por um dia. Ensine-o a pescar e você o terá alimentado para o resto de sua vida".

Um exemplo de estratégia de aprendizagem no nível de capacidades é a estratégia de soletração/ortografia. Na língua inglesa as palavras não se parecem com o seu som. Assim, nem todas as palavras podem ser escritas corretamente de acordo com o seu som, mas elas podem ser grafadas corretamente de acordo com a sua imagem. Assim, uma estratégia de soletração/ortografia eficaz seria:

1. Consiga uma clara imagem interna da palavra dividida em sílabas.

2. Por meio da imagem interna, soletre a palavra de trás para a frente - da direita para a esquerda.

3. ENQUANTO está vendo a imagem interna da palavra, pronuncie a palavra sílaba por sílaba.

4. Agora soletre a palavra, por meio da imagem interna, da esquerda para a direita.

5. Para mandar a palavra soletrada para a memória de longo prazo, pratique o passo número quatro, de seis a oito vezes por vários dias.

Você soletra a palavra de trás para a frente no passo dois para saber se o estudante tem uma boa imagem interna. Não se consegue soletrar direto uma palavra de trás para a frente a não ser que se faça isto por meio de uma imagem. O passo três organiza o sistema de recordação para que o cérebro traga a imagem quando a palavra for ouvida.

A PNL e as Deficiências de Aprendizagem

A PNL oferece oportunidades MUITO excitantes para os estudantes que foram diagnosticados com deficiências de aprendizagem. As técnicas de modelagem de PNL oferecem as ferramentas precisas que são necessárias para descobrir o estilo diferente de experiência subjetiva deste grupo de estudantes. Muitas vezes, a diferença está no nível de capacidade na forma de estratégias de raciocínio ou aprendizagem. Muitas vezes, a única coisa que é preciso é a adição ou supressão de um simples passo em sua estratégia de aprendizagem. Uma vez que se lida com o passo, o aprendizado pode acontecer.

Dislexia

Um exemplo ocorre na deficiência de aprendizagem chamada dislexia. Nesta deficiência de aprendizagem, uma das reclamações é sobre o estudante não ser capaz de discernir a diferença, por exemplo, entre "b" e "d" ou "6" e "9" ou "p" e "q". O que eu descobri que muitos deles faziam era não ligar o som da letra ou número à imagem. Quando alguém dizia "Escreva um b" o som não trazia a imagem para o estudante copiar. É um negócio simples ensinar o estudante a ligar o som à imagem agora que nós sabemos o que é necessário.

Um outro exemplo foi um menino de nove anos que estava tendo dificuldades para aprender a ler. Ele também havia sido diagnosticado com várias deficiências, inclusive dislexia. A queixa dos pais era que eles liam com ele todas as noites e quando ele encontrava uma palavra que não conhecia, eles pronunciavam-na para ele. Mas então, dois ou três parágrafos mais tarde ele não era capaz de reconhecer a mesma palavra. Quando eles demostraram isto, tornou-se muito claro para mim o que estava causando o problema. A maioria dos alunos que está aprendendo a ler novas palavras olha PARA A PALAVRA enquanto a pronuncia. Isto liga a imagem ao som. O que o menino fazia era olhar a boca de seu pai quando ele pronunciava a palavra. Ele queria certificar-se que a pronunciava corretamente, então ele olhava a boca de seu pai e imitava o movimento labial. Isto, obviamente, não ligava a imagem ao som e ele não era capaz de reconhecer a palavra mais tarde. Uma vez mais, a solução foi muito fácil de ensinar ao garoto e seus pais.

Distúrbio de Déficit de Atenção (Attention Deficit Disorder - ADD)

Há quatro ou cinco anos atrás eu fiz o NLP Health Training desenvolvido por Robert Dilts, Suzi Smith e Tim Hallbom. Meu projeto era modelar a experiência subjetiva do Distúbio do Déficit de Atenção (Attention Deficit Disorder) ou ADD. O ADD cria muita confusão em nossas escolas - especialmente se hiperatividade for um dos sintomas. Eu ouvi recentemente um psicólogo referir-se ao ADD como "Uma grande lixeira para despejar todas as queixas sobre os alunos". Eu tendo a concordar com ele.

O Distúbio de Déficit de Atenção é o estado que algumas pessoas vivenciam e que se manifesta através de vários sintomas que podem incluir um ou mais dos seguintes:

 

 

 

 

Publicado na Anchor Point de JUN/99 e no Golfinho impresso AGO/99 nº55
Trad. Hélia Cadore
Revisão: Maria Helena Lorentz

Joomla SEF URLs by Artio